domingo, 17 de janeiro de 2010


E quem diria que seria assim?
Porque a gente sabe que se pode tentar, mas o coração pulsa mesmo quando não queremos.
É tão fácil estar aqui e dizer o quanto é amor, o quão verdade se tornou. E eu prefiro calar e escrever aqui o que tantas vezes não consegui soletrar. Amor. Felicidade de te ter ao meu lado e saber que essa verdade também é sua, e também é meu corpo e alma.

Quantas vezes por vício deixei de crer que tudo poderia ser tão mais feliz e saudável, tão voraz e até pecável. Eu quis fechar os olhos e tentar enxergar o oculto e realmente é assim que deveria ser, sempre. Porque o tanto que ocultei nesses todos anos, foi o que me faltou quando você chegou. Agora sei tocar a parte exata do meu ser quando quero estar junto de ti. Sei olhar dentro de mim para perceber os erros e acertar toda vez que tua presença me faz completa.

Quero que as partes possam se misturar tanto que seja difícil distinguir os opostos dispostos, mas que seja fácil dividir e completar quando preciso. E que os olhos também possam se tocar a cada olhar. Que a cada brinde, possamos sentir o quanto ainda queremos comemorar essa vida. E quem sabe a próxima e todas as outras.

Porque talvez eu queira isso com tanta força que não caiba só nessa eternidade.