terça-feira, 2 de outubro de 2007

Uma saída, uma paixão. Canções de fundo e a dança do só. Esperando o show acabar, me pego pensando nas variáveis de um anel. Como pode um ser exalar essa fúria dentro do peito? É tanto tempo, tanta culpa, tanto desperdício, acabei me vencendo. Destruí meus sonhos e agora torno a erguê-los, não mais de areia. Base firme e um sorriso no rosto. As sombras, eu joguei pela janela. E se voltarem, juro não responder por meus atos e palavras. Quero a sorte jogada na brisa, escancarada em meu corpo, aliviando minha alma e os prazeres contidos. Senti como é estar parada e fixar os olhos em um só ponto, bom. As coisas criam vida através do pensamento, e como eu quis que ele se fizesse realizar. Mas a questão não é apenas um moço e suas cordas, é um coração pulsando em cifras, uma alma sonhando dizeres. São dois corpos e um só olhar, talvez dois por pouco tempo, sem notar. Era isso, notar, faltava notar e tentar. Mas essa é a triste escolha, observar e desistir. Por um tempo, quero voltar e fitar naquele riso, ouvir os ruídos da noite e abafar meus sentimentos tolos. E só sair de lá com uma parte a mais, a da alegria consumida. E quatro braços. 1,2,3, vai!
Acabou a farofa. Antes de mexer, verifique o prazo. Antes de amar, verifique a fabricação. É a lei da inferioridade, os restos e a moeda vencida. Quem diz ser fraco, esbarra na merda. O forte, nem isso consegue. Os embaraços do cotidiano se tornam eternos, e o tempo já não participa da idéia. Cansados e inundados, voltam para casa e procuram cometer o suicídio diário. Esse, que consiste em desacreditar nas batalhas incomuns. É o pesadelo do rico, e a cara de fome do pobre. Ecoa nas mentes lastimosas e deságua no rio das desilusões. A opção para o sujo, e a luz para o bem nascido. Quem precisa entender a arte que faz? Quem sabe dizer amar mil vezes a mais? É o prelúdio para o fim. A marcha das crenças rumo à falência. E ainda insistem em dizer que não há nada nesse corpo. São flashes de crescimento e espaços para o dinheiro futuro. Aqui não se interroga o bem feitor, mas acalmam-se as perguntas com um copo de água benta. Sal grosso pra lavar, e a farofa que acabou. Agora que vai embora, lava tua alma e escreva o pensamento. Mexa bem e ame.
Eis a esperança esperando que a espera não seja tão esperada. Eis o gole já ingerido. Eis a música que toca nos teus ouvidos. Eis o talvez, e o nunca, e o sempre.
Assim começa a encenação de uma vida. A esperança e tudo que já passou, morreu, estancou. Enquanto uma menininha toma sua poção mágica, os sapos esperam sua vez. Quando chega a madame em sua mais bela vestimenta, os olhos a seguem, supõe-se que seja a mais bem cotada da noite. Mas ela é só isso, um pedaço de pano amarrado a um corpo ultrapassado.
De que vale tudo isso se não há conteúdo? De que vale o circo se os palhaços já não fazem rir?
É a longa espera que te faz infeliz. As luzes se apagam e você ainda espera o espetáculo começar. Qual é o tema que te interessa? O tema do acabou? Esse eu lhe ofereço, presente.
Aqui começa um novo começo, dos começos acabados e das histórias mal contadas. Esse é o restante restado. A pancadaria suave, os grãos de areia que ainda não grudaram em seu corpo. Toma teu chá, curte tua poesia, escreva pra mim um poema das primeiras intenções. As segundas, eu já to de saco cheio. Rapaz, se te pego no canto te digo mil palavras, escoro tua face e ainda quebro teus tendões. Não crie problemas por um ósculo não efetuado. Oscule a face do perdedor e cante a vitória. Esse eu tava certa, venceria tuas questões.
O que impede pensamentos tortos? Não é de fato um belo conjunto, mas quem liga? A banda parou e você insiste em dançar a valsa do vazio. É um coração solitário com duas bengalas, impossível manter-se de pé quando o tiroteio atinge um só peito. Não é por pecar, mas sim por extrair-se do normal. Quando a vida resolve te dar chances, vai em frente. Foi assim que perdi o medo de dizer certas verdades. Mas no palco das promessas, fui vaiada por não saber mentir. De que adianta um coração apaixonado se há tantos outros trocando calúnias? Vale a esperança de que no final, ele olhe pra você. Cadê aquela cara de mau? Onde foi que tu aprendeste a sambar? Aqui no meu samba, o pé fica de fora. A alma entra em tom de batuque. É o samba do sinto muito. A estrada trilhada é a tentação. Me ensina a dança e eu te digo como me seguir. Cada minuto é distante, o tempo é imortal, o momento é agora. No meio do caminho não era a pedra, e sim tua consciência que te fazia parar. Olhe para isso, um bebê, um menino, o dilema de tantas noites. Eis a carta e a canção, a foto e a política, mas quem chega primeiro? Quem entende tudo isso? Afrodite, ajuda aos terráqueos. A rosa me fala da borboleta azul, mas ela não chega. A ferida afunda-se e fixa tatuagem temporária. Meu medo não é ser só, mas gostar. Nenhuma serenata me chegou aos ouvidos e então por que acham que eu deveria combinar alguma coisa? Beijos tornam-se impossíveis dessa maneira. Agora cante baixinho, leia um texto, compreenda a situação e aí você já sabe qual atitude tomar. Chega de vez, não se explique, aplique. A fúria dos sentimentos invade a face, torna difícil a espera, declara guerra à calmaria. Tudo por um pedido idiota, ou a falta de criatividade de pessoas comuns. Ta escancarado e vocês não querem ver. É só mais uma brincadeira ou é tolice? A guerra termina e você está contando quantos anos tem. Não faz diferença. A lei é a felicidade. Molha eu, seca eu, deixa que eu seja o céu...
Assim acaba mais uma canção e começa mais uma fase. A fase dos bobos sem atitude.
Como pudera achar que eu seria só isso? Agora ponha o terno e eu te largo no altar.
Abusei de mim mesma. Tentei viver buscando fazer sempre o certo, mas agora vejo que a única coisa que vale a pena é estar feliz com o que se faz. Assim, de repente, sem pensar. Porque a vida não é tão longa assim, mas nem tão curta. Então vamos fazer o que der na telha, se tu vai, eu vou também e assim seguimos, quebrando regras que eu fiz pra mim, e agora quero expulsar. Vamos, quero mais é viver a intensidade das ações impróprias. Quero chutar o pau da barraca e ficar lá debaixo dos panos. Duvido que seja insanidade minha, sei que você faria também. Então pra que se privar? Corra enquanto tem tempo. Não peça, faça. Vale mais o erro pelo muito do que pelo pouco. E se levar um tapa, sinta só o que valeu a pena. Coragem é o que estão esperando... Ah, bobos... Não viram que estou esperando a nudez da alma? Liberte-se, cada um faz o que quer, com você não seria diferente. Assumi, virei o jogo, atitude já! Entende? É o mínimo a fazer, jogar-se.
Pare o carro e diga que é só mais um passeio, me dá uma carona rumo ao infinito.
Cuspir verdades nunca foi tão gostoso. Passagem para o louco, esse é o mundo em que vivo. Quem discorda? É só mais uma paixão, só um lance fora do comum. Que seja amor..? A gente descobre. Agora arruma logo essa cabeça pense bem, tenta entender que não são só palavras,mas o resumo das ações que deveriam ser efetuadas. Corre pro abraço que eu te espero do lado de lá. E capricha…

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Seria mais fácil estar aqui se não fosse isso tudo...
Esse tudo cheio de nada..É, na verdade eu gosto. Misturas de aromas, cores e trapaças... Mundo perfeito, esperei tanto tempo para ver que na verdade não era assim...Que você ia tentar me colocar pra baixo na primeira vez que me encontrasse...Mas te enganou...Olha aqui.. Isso, aqui em cima.. Talvez não consiga me enxergar porque tu ta ai, jogado no chão...
Viu como é doce saber que nada impede a felicidade? Então aproveite, ria, chore, goze... Te mete debaixo das cobertas e agora vai dar tudo certo.
A água vai embora, o vento vai, o Sol vai... Eu, estou esperando... É eterna a espera.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Pelado de salto alto. Calçado com o nu de teus cabelos. Ah, o que basta para ti? Estarei esperando na primeira fileira, e quando decidires sair avise-me. Leve-me pelo mundo afora e eu te direi o que me faz feliz. Não, direi agora. O que me faz encher os olhos de lágrimas e gemer de alegria é um coração apaixonado. Corações são tão tolos, que eu pensei em deixar o meu para trás. A paixão os atinge e logo você parece um bobo desejando que aquele ser pense pelo menos 24 horas em você...Mas não é bem assim. Cansei de sentir que estava perto de conseguir, e ver que, além de falsas promessas, me deparei com falsos homens. Ou será então que você está chegando pra me contar mais uma de suas estórias, me deitar na cama e logo depois me dizer que não existem contos de fadas? Coração corrupto, chega de se desfazer das minhas pretensões. O que há de errado em descer pelas escadas e deixar cair um sapato? É, não era verdadeira aquela história da Cinderela. No máximo, você vai perder o sapato. E depois não vai reclamar por ter andado mancando, e sonhando no príncipe que ia bater na sua porta mais tarde. Príncipe nada, se alguém bater, vai ser o marcador da luz, pode ter certeza. Aí você cai em si, percebe que esperou tanto por nada, que se esse alguém chegar, é para te cobrar as horas que você gastou numa lan house. O final poderia ser mais triste, mas você lembrou que ainda tem sorvete no freezer, vai comer ele todo pra esquecer seu desespero e ainda vai ganhar algo. Não, não é um brinde, são os quilos a mais na balança.
Será que você ainda insiste em me fazer companhia? Não são apenas esses olhos que eu ofereço. Ainda tenho um coração...
Segura minha mão, sentes? É isso que estou dizendo. Basta encostar-se a mim e eu já sei.
Mas ninguém tem tempo de caminhar comigo na praia, e nem razões suficientes para descobrir novos caminhos.
Agora não quero mais te ver em teus trajes naturais, não quero mais cantar e talvez a vida se encurte, mas não porque eu quis, porque foi tudo assim.
Cadê a coragem? Isso é o que falta em vocês. A vontade verdadeira de sentir-se único quando estamos acompanhados. Os corpos diminuem, não é o céu que chega aqui. O céu é o nosso destino.
Coração destroçado, pés cansados e uma vida inteira pela frente. Parece que a praia ainda tem um bom espaço para meus passos solitários.
Cesta de café da manhã, um bolo, um beijo... Faz a festa pra mim?
Príncipe Encantado atrasado! Como se diz Eu Te Amo?

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Caminhar sem perceber que o chão sumiu dos meus pés é tão inútil quanto dizer as mesmas palavras. Talvez as estrelas mudem de lugar e quem sabe a lua desista de iluminar as noites, mas eu luto pra vencer e daqui não levo nada, só a vontade de merecer o céu e continuar seguindo em frente. Porque o tempo pode passar, mas a realidade vai ser sempre a mesma. Talvez o amor tenha se escondido por um tempo, mas ele vai voltar. E se volta, eu tenho guardado nas minhas entranhas e meu coração mostra a verdade que tentei esconder. Talvez meus pés cansados já não saibam o caminho, mas aí você me pega pelas mãos e vamos...
Talvez eu tenha que ficar sozinha.. E nas noites frias, eu deixo congelar meu coração pra não precisar sentir a dor que cala minha voz e me faz aceitar a amarga tristeza de se sentir só quando tantos passam ao meu lado sem me perceber. Ou talvez só estejam querendo brincar mais uma vez, mas em mim já não há espaço para isso. Ou talvez no espaço não tenha lugar pra mim. Desistir não, isso é para os fracos. Apenas ser feliz buscando em mim mesmo o que não encontro nessas ruas inflamadas de gente e deficientes do verdadeiro sentido de tudo.. Luto por mim e pelo que considero importante, mas não posso lutar contra um vazio tão cheio de nada.
Parou por quê? Cansa? O amor não cansa, e sim a infelicidade de buscar num ser o que ele não tem. Cansa a infelicidade de aceitar ser feliz e não conseguir. Cansa estar, mas o pior é acreditar que não são contos de fadas e sim fantasias que vestimos tentando esquecer do que é real. Cansa deteriorar. Estar, estar, estar. Você esteve ou teve medo? Cansa falar certo para entenderem errado. Foi passando nessa estrada que encontrei a sorte e a derrota. Fugi do mundo, morei com as estrelas. E agora restaram essas lágrimas, que guardei pra ti... Toma.
Parte da história começou comigo. E eu estou tentando decifrar alguns capítulos da minha vida. É tudo tão pequeno, e aí, a vida vai se formando e você está lá, sentado esperando que o tempo passe mais rápido, tentando pular etapas e achando que é muito difícil sobreviver. A verdade é que ainda nem paramos pra perceber como isso pode cansar ou até machucar. Doamos parte do que seria nossa vida só pra entender que é assim mesmo. Sou essa garota que os pés não atingem o chão, mas que ainda não tocou o céu. Ainda demora pra eu me acostumar e depois nem sei se vai valer a pena. Por enquanto caminho só e talvez continue assim por um bom tempo, mas o que ainda não entendo são essas voltas e esses pesadelos. Ainda não entendo o tempo que as pessoas gastam tentando compreender seus próprios pensamentos e sempre erram ao falar de si mesmo. Cansa-me pensar nessas tolices, mas eu continuo pensando e escrevendo porque é difícil estar sozinha e falar com as paredes.
Vem aqui.. Só quero entender o que há.. Talvez você esteja errado, ou quem sabe sonha muito alto.. Sabe que as flores já não têm o mesmo aroma, e o céu, é mais azul.. Daqui você pode sentir como é de verdade.. É confuso dizer o que está acontecendo, mas na real, é bem melhor do que imaginamos.
Se você abrir o jogo, se puder se aventurar, pode encontrar o que lhe falta, mas não procure na falta se esconder.. Antes vem aqui e me canta aquela letra.. Tome seu café e aproveite seu pouco tempo.
15, 19, 26... Hei, onde errei?
Não faltam números, muito menos coerência. Essas são realidades diferentes, vidas diferentes e até mesmo opostas. Cadê a felicidade brilhando ao fundo?
Tudo assim. Você escolhe viver e apenas está aqui, observando o tempo e tentando entender por que acontece esse tipo de coisa. Luta pelo amor, acha que venceu e depois descobre que poderia ser melhor. Perde contato com o mundo e esse, cansado de rodar, te deixa parar e estacionar em qualquer vaga. Aí você percebe que não pode mais fazer nada, ou então fazer o que te der na telha. Sair cantando e andando pela praia pode resolver. Mas não é aconselhável procurar nas conchas alguma resposta para seu corpo sujo de areia.
O que abala sua cabeça é entender que muitos falam, mas poucos conhecem o que você guarda como melhor pro seu próprio coração.
Onde fica a verdade? Eu ainda sinto um tum dum aqui dentro.. Será que há disposição para uma vida a dois? Debaixo das cobertas te encontro nu, com cara de sono e espero que me leve muito longe. Ilusão? Nunca mais!! Por quê? Não acredito mais em mentiras enfeitadas.
Deixe estar como ta... Pode não ser perfeito, mas é o que me mantém.
Aqueles instantes, e mais alguns séculos, me fizeram crer que só é o bastante quando te esgota. E é o que tenho a dizer: estou esgotada. Não me agradam tua presença e tua preocupação forçada. Foram os tolos que te guiaram e tolo te tornou.
As meias palavras e todos os goles te fizeram o Senhor dos males. Deseja o que? Mais uma taça de champagne e umas torradas? A tristeza de sua cabeça não me abala muito menos sua loucura nessa clausura que é teu corpo inundado dos piores sentimentos.
Cheque seu guarda roupa e veja o que perde. Belas bolas não fazem o natal, então pega tuas malas e corra para teu finito, pois o que há em ti em mais ninguém se encontra. É uma porção de vida mal vivida e os pecados que ainda comete.
Quem disse que não teria mais nada a dizer? Quando é assim, a gente já sabe o que vem.. Sabe aquele riso segurado, que não quer desgrudar dos lábios? Vai para você. A essência aqui dentro é o terror.

segunda-feira, 3 de setembro de 2007


cade o sol????

Início...

Depois de 1 hora, chega ele.Casaco pendurado, luvas postas e um sorriso malicioso.
Ei, moço, qual é a tua?Talvez não tenha percebido que há tanto te espero e agora que chegas, cadê meu coração?Escondeu por detrás desse rosto falso a verdade, ah verdade, onde tu andas enquanto espero, aflita, tua sombra?
Aquele tempo que foi embora foi bom, mas agora, só a felicidade pode dizer o quanto é saltitante o meu estado.
Cadê aquele garoto que me prometeu um beijo na face?Ei, moço, qual é a tua?
Sabe as velhas cantigas que embalavam nosso sono?Desfizeram-se em Dó, Ré e Mi.Talvez Fá também. Mas o meu sorriso ficou aqui estancando o fluxo de suas lágrimas, e você parado, olhando e talvez pensando que do meu riso sairiam ruídos de dor.Engana-te pobre rapaz.Daqui apenas expande-se alegria e o brilho, como as lanternas que não precisam de bateria, é só pronunciar uma sílaba e ele não consegue manter-se fechado.
Arrepender-me?De quê? Nada pode ser tão péssimo quanto isso. Agora que você aprendeu a exercitar sua língua, não quer dizer que eu vá sumir e deixar tudo como está. Eu vou atrás daquele homemque disse amar a mim, ou será minha cara de lobo faminto por um pedaço de carne?Ei, moço, qual é a tua?
Eu aqui sentada e vocês comentando minhas pernas falidas. Dava pra ser mais discreto e ver que também tenho eu a cabeça no lugar?
Depois de 1 hora, você já não sabe quem é quem, ou quem você deve amar, ou beijar, abraçar.Você já tem a idéia feita e um belo seio à mostra, mas, quem vai querer alguém sem cabeça como você?
Recuso-me de dar-lhe explicações sobre isso. Você deveria saber o que tudo significa, mas não sabe.E sabe o por que? Porque não pensa em nada que não seja uma bela menininha nua na sua frente, sentada e falando obscenidades que você ensinou, e nas suas memórias tristes de puto, garoto qualquer deitado na cama, tocando seu instrumento e dizendo ser o dono do mundo. Mas o mundo meu amigo, te sacaneou. Sabe aquelas pernas abertas que você desejou feliz da vida? Era a tua perdição, teu demônio. Por isso agora vives tentando convencer a si mesmo de que é um bom rapaz, mas por dentro sabe, mais do que ninguém, que assinou teu contrato de incapacidade.
Não deu em nada sua tentativa de ser o rei. Pensou que tinha conseguido atrair sua desejada? Isca errada. Tente ser real e tente amar, pois só assim conseguirá ter o que quer e o que merece.
Ei, moço, qual é a tua? Estou esperando você dizer suas intenções. Só sigo em frente por sentimentos verdadeiros porque essa cara aqui vai embora, mas meu coração, vai permanecer.
Agora vai embora, pega o casaco e as luvas e foge da verdade que te fere.
Ei, moço, que tal o casamento?